O laudo do Instituto Médico Legal (IML) concluiu que a morte do ator Luiz Carlos Araújo foi acidental, conforme divulgou a Polícia Civil de São Paulo nesta quarta-feira (22). A causa da morte, segundo o documento, foi asfixia e uso de drogas.

Araújo, de 42 anos, era conhecido por sua atuação na novela Carinha de Anjo, do SBT, foi encontrado por amigos e pela Polícia Militar sem vida no dia 11 de setembro, em seu apartamento no centro de São Paulo. Ele estava sozinho, na cama, com um saco plástico na cabeça.

O laudo médico concluiu que o ator usava o saco para tentar aliviar a ansiedade, em um técnica polêmica conhecida como re-respiração, que consiste em colocar um saco de papel na boca e assoprar. Ao colocar um saco plástico na cabeça, Araújo aumentou o teor de dióxido de carbono, que é tóxico, e reduziu o de oxigênio.

“Tal prática pode ter como complicação a asfixia por confinamento”, afirma a nota divulgada pela 1ª Delegacia Seccional Centro, que investiga a morte de Luiz Carlos, sobre o laudo do IML.

A delegacia disse também que a perícia médica informou que a morte também estava associada ao uso de antidepressivos, bebida alcoólica e cocaína, que levaram a perda de consciência.

Com isso, a polícia concluiu que a causa provável de morte foi morte acidental e que não há indício de crime.

Antes, a investigação trabalhava com três hipóteses para a morte do ator: assassinato, suicídio e uso de substância tóxica.