Anúncio foi feito pelo presidente do Sindtanque-MG, Irani Gomes

A greve dos tanqueiros está suspensa em Minas Gerais. O anúncio foi feito pouco depois das 15h, pelo presidente do Sindtanque-MG, Irani Gomes. Apesar da trégua, eles afirmam que ainda “aguardam uma posição do Governo de Minas”.

“Após a sensibilidade das distribuidoras, junto as transportadoras de combustível e derivado de petróleo no estado de Minas Gerais, eles decidiram suspender a paralisação até o momento. Mas ainda aguardam uma posição do Governo do Estado referente as alíquotas dos combustíveis”, disse Irani Gomes.

O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados do Petróleo de Minas Gerais (Minaspetro) também confirmou a suspensão e afirmou, por meio de nota, que os caminhões já começaram a ser abastecidos normalmente.

“O Minaspetro recebeu a informação que a greve dos tanqueiros acaba de ser cessada. Portanto, as bases estão abertas e os caminhões já começam a ser abastecidos normalmente. Tão logo os veículos comecem a sair de Betim, o abastecimento de combustíveis em todo o estado de Minas Gerais deverá ser normalizado em aproximadamente 24 horas”.

Greve começou há menos de dois dias
O movimento teve início à meia-noite de quinta-feira (21/10), antes da greve geral anunciada pelos condutores para 1º de novembro contra os aumentos de preços dos combustíveis e a incidência do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS).

Segundo o presidente do Sindtanque-MG, cerca de 800 caminhões estavam parados na região metropolitana de Belo Horizonte, sem nenhuma interdição de rodovias ou estacionamentos.

Além de Minas Gerais, até ontem, a paralisação ocorreu em mais cinco estados e causou enormes filas nos postos de gasolina da capital mineira. Na manhã desta sexta-feira (22/10), um estabelecimento localizado no Bairro Santa Tereza, região Leste de BH, iniciou o expediente às 6h com um frentista atendendo as três bombas de combustível.

Em seguida, às 7h20 a gasolina já havia acabado e o álcool, segundo o frentista Odacir Geraldo da Silva, de 54 anos, iria se esgotar ainda no meio da manhã.

Enquanto ele conversava com a reportagem do Estado de Minas , a trava da bomba anunciou o fim do combustível que ainda restava. O posto fechou às 8h50.

Fonte: EM