Na tarde desta sexta-feira (5), às 16h, será realizada a solenidade de inauguração do hangar da 6ª Base Regional de Aviação do Estado (6ª BRAvE) em Poços de Caldas. A base foi fundada em dezembro de 2018 e sua área de atuação abrange 171 cidades das regiões Sul e Sudoeste de Minas Gerais, atendendo uma população de aproximadamente 3 milhões de mineiros.  

A nova sede da 6ª BRAvE será instalada em um hangar no aeroporto de Poços de Caldas, fazendo com que haja mais segurança e agilidade para as operações aéreas da Unidade. Na solenidade haverá o agradecimento aos colaboradores que, desde o início, contribuíram para a instalação da 6ª BRAvE em Poços de Caldas, além de uma homenagem simbólica às policiais militares pelos 40 anos do ingresso das mulheres na PMMG. 

De acordo com o comandante-geral, coronel Rodrigo Sousa Rodrigues, a inauguração desse hangar, em 2021, trata-se de um novo marco para a Aviação do Estado, pois agrega segurança e ainda facilita a execução das operações uma vez que aproveita toda a infraestrutura agregada do aeroporto de Poços de Caldas. “cumprimos a partir de 2021 um fundamento cunhado e difundido pelo Coronel Severo, primeiro comandante de helicóptero na PMMG, quando ele dizia que tudo pretende subir e pairar no ar, deve partir de uma boa base terrestre” finalizou coronel Rodrigo.


História Por meio da Resolução 1.665, de 28 de janeiro de 1987, teve início uma nova era na prestação de serviços de Segurança Pública para a população mineira, com a criação do Comando de Radiopatrulhamento Aéreo da PMMG (Corpaer) na forma de um pequeno grupamento especializado.  A PMMG recebeu então suas primeiras aeronaves, um Helicóptero de caráter provisório modelo Esquilo AS350B, matrícula PT-HMJ, que operou apenas alguns meses e retornou à empresa de origem, Helibras e um helicóptero modelo Bell 206-Jet Ranger III, matrícula PT-HSL, denominado mais tarde de Pégasus 01.  

Com plena confiança na capacidade operativa da aviação policial, o Governo de Minas, em 08 de maio de 2017, publicou o Decreto 47.182, mais tarde alterado pelo Decreto 47.196, de 30 de maio de 2017, criando o Comando de Aviação do Estado (Comave), elevando mais uma vez a Esquadrilha Pégasus a níveis estratégicos da Instituição e do próprio Estado.

O Btl RpAer perdeu sua vinculação operacional com o CPE, ganhou status decisório de Unidade de Direção Intermediária e assumiu a gestão centralizada da aviação do Estado. O Comave nasceu de um novo conceito de gestão estratégica, em que a intenção governamental é promover o emprego lógico, eficiente e econômico dos recursos aéreos do Estado, respeitando a autonomia e a competência legal de cada instituição, mantendo o foco na qualidade dos gastos públicos otimizando o emprego das aeronaves e a cobertura da malha para o interior.