O Projeto de Lei 3.300/21, que altera os limites do Monumento Natural Estadual Serra da Moeda e pode permitir a exploração de mineradoras no topo da serra, foi encaminhado para votação em primeiro turno na Assembleia Legislativa. A pauta, aprovada em tempo recorde por três comissões da Casa nos últimos dias, merece atenção dos mineiros.

Na madrugada desta quinta-feira (17/11), durante a votação do Projeto de Lei 3.300 na Comissão de Desenvolvimento Econômico, o deputado Bernardo, que votou contra o projeto, defendeu a participação popular para decidir o futuro da Serra da Moeda. “Não podemos votar um projeto tão relevante, que impacta milhões de mineiros, sem ouvir os moradores que serão afetados e os especialistas socioambientais. Sou de uma região mineradora e, como representante na Assembleia Legislativa, vou lutar pelos interesses da população”, ressaltou.

De acordo com o deputado Bernardo Mucida, a destruição do topo da Serra da Moeda pode comprometer o abastecimento de água de toda a Região Metropolitana de Belo Horizonte. “Itabira, um exemplo de cidade explorada pela mineração, viveu um grave racionamento de água nos últimos meses. Além de tornar a água imprópria para consumo, a atividade mineradora gasta o dobro do volume hídrico utilizado pela população do município”, afirma Mucida.