A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) em Florestal, Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), indiciou um homem, de 37 anos, suspeito de agredir a companheira, de 29, que estava grávida de seis meses. O investigado, preso preventivamente, foi indiciado por lesão corporal gravíssima, que resultou em aborto, agravada pelo fato de ter sido cometida contra cônjuge em ambiente familiar. Ele também irá responder por ameaça.

As investigações, coordenadas pela equipe da Delegacia de Polícia Civil em Florestal, iniciaram após a vítima dar entrada em um hospital de Betim, também na RMBH, em estado grave. A mulher teria sido asfixiada e brutalmente agredida pelo companheiro, na noite do último dia 2 de novembro, inclusive com chutes na barriga. Na unidade hospitalar, foi constatado que o feto não apresentava sinais vitais, ocorrendo com isso a interrupção da gravidez.

Conforme apurado, a mãe e o filho da vítima, de apenas 8 anos, presenciaram as agressões. O suspeito, que era pai do bebê que a mulher estava gestando, mantinha um relacionamento com a mulher há três anos.

O delegado Diego Nolasco Rego explica que, além da prisão, foi expedida também medida protetiva para resguardar os direitos da vítima. Ele conta que o suspeito é reincidente no crime, já que em 2013 teria agredido outra mulher, que também estava grávida dele.

O inquérito policial foi concluído no dia 16 de novembro e, posteriormente, enviado à Justiça. O suspeito, preso no dia 19 deste mês, permanece no sistema prisional.